23 de dezembro de 2008

Testemunho de uma antiga aluna (1974-1981)

Recebemos este comentário à entrevista à Madame Jeanine Faria da Costa ha já algum tempo, mas achámos que lhe deveríamos dar mais destaque...Palavras para quê? Gostamos sempre de receber notícias e memórias de antigas alunas...

Olá a todos,
Fui aluna do colégio de 1974 a 1981, tenho actualmente 44 anos e soube da existência do blogue através da própria Mme.Jeanine, que, acidentalmente e por uma feliz coincidência através de amigos comuns, consegui retomar o contacto há pouco tempo!
Devo confessar que, ao entar no link do colégio e ao ler os depoimentos lá escritos e esta entrevista com a Mme.Jeanine, as lágrimas cairam-me porque, de facto, 7 anos da nossa vida passados em regime de internato, não ficaram esquecidos! As memórias são imensas, as saudades...muitas, e o lamento profundo de arrependimento de nunca ter voltado aí, durante todos estes anos! (sabe Deus quantas vezes o desejei!)Lembro com muita saudade todas as Irmãs com quem convivi ao longo dos anos, os professores, as colegas e AMIGAS. Não dá para explicar a emoção que senti ao ver as fotos dos "meus" sítios preferidos na Quinta, enfim...estou feliz por ter tido oportunidade de rever tudo isto. Quero deixar aqui o meu testemunho de gratidão e de apreço a todos aqueles que contribuíram para a minha formação, que foram a minha família, que fizeram de mim a Mulher que sou hoje! A todos, o meu Bem Hajam e Obrigada por todos os valores que me souberam transmitir para que eu os possa, hoje, transmitir aos meus filhos!
Quanto à Mme. Jeanine, não há palavras...tudo o que ainda hoje sei de francês, a ela o devo, para além da amizade que criámos e que se manteve ao longo do tempo.

Maria Beatriz Guia Barroso da Silva
(Mabi)
Montijo, 13 de Novembro de 2008

P.S. - Se alguma das minhas "contemporâneas" me ler, aqui fica o meu mail...contactem-me.
beatriz1964@gmail.com

14 de Novembro de 2008 0:02

19 de dezembro de 2008

O natal na Dinamarca

A propósito da leitura de O Cavaleiro da Dinamarca, de Sophia de Mello Breyner Andresen, obra em que a acção tem início no Natal, os alunos do 7º ano fizeram um trabalho de pesquisa sobre o Natal naquele país da Europa. Aqui fica uma síntese, realizada pelas alunas Joana Rolo Daniela Jorge e Daniela Jorge, da turma A.

No primeiro Domingo do Advento, acende-se uma das quatro velas brancas ou encarnadas de uma coroa feita de ramos verdes, colocada no centro da mesa; faz-se o mesmo nos três Domingos seguintes, quando os festejos do Natal começam.

-Acendem-se milhares de velas por todo o lado e têm-se sempre bolinhos e doces prontos para os visitantes.

-Cada casa tem a árvore de Natal decorada com estrelas,doces e muitas coisas brilhantes.

-Na véspera de Natal, a família junta-se para o jantar. Tudo está decorado com a bandeira dinamarquesa. Põe-se uma vela acesa à janela oferecendo comida e abrigo a quem precisar.

-Ao cair da noite, lê-se o Evangelho do Natal e todos entoam cânticos.

-Come-se o tradicional pudim de arroz que tem uma amêndoa escondida. Quem a encontrar ganha uma prenda.

-Segue-se ganso recheado com maçãs e ameixas, acompanhado com couve roxa e batatas assadas, tudo com molho de frutos silvestres.

-Deixa-se uma taça do pudim de arroz à porta para o Julnisse (ou Nisse), um elfo malandreco que vive no sotão e prega partidas. Se lhe for dado o doce ele toma bem conta da casa o ano todo.

Na mesma aula de Língua Portuguesa em que o trabalho foi apresentado, o Sven e o Michael falaram dos seus Natais, celebrados segundo as tradições holandesa e inglesa. Prometeram enviar-nos um pequeno texto sobre o assunto, que ficamos a aguardar!

16 de dezembro de 2008

Direitos Humanos




Assinalando a comemoração dos 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos (celebrada a 10 de Dezembro) , os alunos do 9º ano realizaram uma acção de sensibilização para esta temática junto dos alunos do 5ºano. Na imagem, podem observar-se os marcadores de livros, por si elaborados, alusivos ao tema divulgado que distribuiram depois da sua apresentação.

Esta actividade insere-se no plano de trabalho desenvolvido na Área de Projecto, orientado pelas professoras Agostinha Santos, Carla Costa Pedro e Mafalda Risques Pereira.

3 de dezembro de 2008

Banco Alimentar

Mais uma vez, o Colégio participou na Campanha do Banco Alimentar Contra a Fome. Pela primeira vez participámos sábado e domingo com todos os anos de escolaridade envolvidos. E, desta vez, os pais também vestiram a camisola!

Professor João Paulo

24 de novembro de 2008

13 de outubro de 2008


Aqui ficam algumas sugestões de leitura dos nossos alunos para o número de Setembro do Ramalhão em Imagens, o nosso jornal,

Estamos de volta!

Depois de insistentes pedidos, voltamos a "postar" ( para utilizarmos um neologismo muito em voga). Esperamos que nos visitem, pois as novidades vão ser muitas!

3 de outubro de 2008

MADAME

O Ramalhão em Imagens, entrevistou Madame Jeanine Faria da Costa, uma professora que se reformou recentemente deixando muitas, imensas, saudades. Esta entrevista, realizada pelo professor João Carlos Melo, estará disponível em Português em breve.

Portrait
Lisbonne le 26 septembre 2008

Nom :
Jeanine Marie-José LAN FARIA DA COSTA

Lieu et date de naissance
Le 4 Avril 1944 à la Destrousse, Bouches-du-Rhône, France.
1ère photo de bébé prise sur un char de combat des alliés (américains) peu après le débarquement de Provence le 25 août 1944.

Mon parcours au Ramalhão :
Entrée en octobre 1974, juste après la Révolution des œillets (l’Histoire me poursuit !!!) et départ en novembre 2007, imprévu mais original dû à une chute spectaculaire et un poigné cassé !

Discipline et années d’enseignement :
Le français exclusivement : heureusement pour mes élèves qui savent que la langue de Camoes n’est pas ma tasse de thé .Quant aux nombres des années, faites-en vous même le compte.

Aimez-vous vivre au Portugal ? Pourquoi ?
Une très célèbre chanteuse et danseuse de Revue, française d’origine guadeloupéenne Joséphine Baker, chantait : « J’ai deux amours, mon Pays et Paris… » Et bien moi je dis : « J’ai deux amours, mon Pays et Lisbonne !

Que pensez-vous de la politique en France ?
Avec un président « bling-bling » qui se prend pour Napoléon, marié à un ex-mannequin reconverti en chanteuse il n’y a pas grand-chose à penser. Mais je crois que c’est la même chose dans la majorité des pays actuellement, les Hommes d’Etat pensent trop à leur « Gloire », à leur image ou à leur fortune personnelle pour pouvoir faire une politique honnête

Comment allez-vous passer votre temps maintenant que vous êtes plus libre ?
Je vais davantage partager mon temps entre la Provence où vit ma mère, Paris où sont ma sœur, ma nièce et mon beau-frère et bien sûr Lisbonne où habitent mes filles et mes petites filles. Maria (3 ans, vient de rentrer au lycée français et c’est elle que je vais maintenant « enquiquiner » pour les devoirs de français !
Et sans oublier, évidemment les bons moments que je vais partager avec mes amis portugais ici dans mon pays d’adoption..


Que vous souvenez-vous de votre vie au collège ? Racontez quelques épisodes qui vous aient marquée.
Il y en a tellement que demain je serai encore en train de vous les raconter, des moments de joie, de tristesse : il y a eu de tout, mais en voici quelques uns pêle-mêle au long des années :
- Les élèves du 7º ano qui me regardaient bouche- bée, en 1974, lors de mon premier cours (les pauvres!, elles se croyaient en Chine).
-Les « dégustations » gastronomiques de fromages et de saucissons français que les élèves du 10º et 11º anos venaient faire chez moi, quand je rentrais de France (à ce moment-là il n’y avait pas encore les grandes surfaces au Portugal).
-Les pique-niques organisés avec les 7º, 8º et 9º anos à pied, au château des Maures ou à Santa Eufémia, avec le repas transporté dans de grandes marmites en aluminium, entre midi et 15 heures à la grande joie des habitants de São Pedro qui nous regardaient passer.
-Les « GRANDES FETES » organisées avec la participation enthousiaste de tous : profs, élèves, soeurs et personnel auxiliaire.
-L’ alarme à la bombe et la fuite de tout le collège au fin fond de la «Quinta»
-Le début d’incendie dans la classe du « cycle » avec l’intervention spectaculaire des pompiers à la grande joie des élèves
-Le triste départ des 4 sœurs décédées dans un accident de la route sur le chemin de Fatima.
-Les anecdotes comiques que me racontait le matin, au secrétariat, Sœur Guadaloupe et qui me permettaient de commencer la journée de bonne humeur.
- la convivialité et l’amitié de mes «vieux collègues et amis» et leurs enfants qui ont été mes élèves
-Les querelles retentissantes avec Madre Thérèse qui se terminaient souvent par une bise (mais pas toujours !) et l’amitié inconditionnelle qu’elle a eue envers moi malgré tout.
-Et le bonheur de croiser le Padre Domingos, qui allait donner ses cours de maths, toujours souriant, entoure d’une nuée d’élèves qui l’adoraient. Mais qui n’aurait pas aimé cet Homme merveilleux ?
Mais il y a tant de souvenirs que je ne puis tous les citer

A TOUTES ET TOUS MES ELEVES, MES COLLEGUES, AUX FONCTIONNAIRES, AUX PARENTS D’ELEVES QUI M’ONT TEMOIGNE LEUR AMITIE ET LEUR CONFIANCE JE DIS UN GRAND MERCI


-Et maintenant la fierté d’entendre MADAAAAAAAAAAAAAME, dans la rue, les magasins, les avions (nous avons de très nombreuses élèves hôtesses à la TAP) et de voir leurs visages souriants à la télévision, de les savoir professeurs (même de français ! imaginez-vous ça ?), médecins, avocats ingénieurs, scientifiques, bijoutiers, pharmaciens, vétérinaires, psychologues et exerçant tant de professions différentes est un ENORME plaisir pour moi.
Sans parler, bien entendu du plaisir d’avoir des anciennes élèves du Ramalhão comme collègues

MERCI A TOUS ET A TOUTES
Je souhaite tout le bonheur possible à ma collègue, amie et remplaçante, « Sôtora » Manuela Fragoso en lui incombant la charge de traduire ce petit portrait en portugais pour ceux et celles qui n’ont pas encore appris le français. !!!
Merci et bonne chance à toutes


MADAME (tout simplement!)

18 de junho de 2008

King Arthur and the end of the world





No dia 15 de Maio, alunos e professores do 2º e 3º ciclos puderam assistir à peça King Arthur and the end of the world respresentada pelo grupo de teatro Avalon Theatre Company. Entre Magos e Duendes e gigantes, viveram-se alguns momentos de magia. Os nossos pequenos actores foram Cavaleiros ao serviço de sua Majestade

1 de abril de 2008

Ramalhão: Crianças, adolescentes e a Internet

Ramalhão: Crianças, adolescentes e a Internet

Crianças, adolescentes e a Internet

Segurança na Internet

É preocupação de muitos pais e educadores a relação negativa que se pode estabelecer entre as crianças e a Internet.Por um lado, compreendem-se as suas vantagens em questões de informação, diversão e aprendizagem por outro, existem perigos, e nós enquanto pais e educadores devemos estar atentos aos mesmos. Como proteger, então, as crianças de todos os conteúdos próprios para adultos sem lhes impedir o acesso a tudo o que de fantástico existe na Internet?As vantagens da Internet a meio ver são as seguintes:
· A facilidade de se encontrar o que se procura (motores de busca e pesquisas por temas);
· A integração feliz entre texto, animação e imagem, o que motiva e cativa para a transmissão da informação;
· Ser, apesar das precauções a tomar, um meio para se relacionar com os outros.Mas, obviamente, existem aspectos negativos, entre os quais:
. A informação nem sempre é correcta (e muitas vezes é incompleta);
· Há erros de ortografia que vão "passando", pois a preocupação de correcção nem sempre está presente;
· Pode "viciar" e causar problemas de relacionamento e também de ordem física (visão, postura, etc.);
Como proteger as crianças da navegação em sites indesejáveis?Tal como sucede com a TV ou com a Imprensa, nem sempre proibir é a solução. Provavelmente, o esclarecimento e o diálogo acabam por ser mais construtivos.No entanto, quando esses caminhos não são viáveis, é importante que pais e educadores saibam que podem "barrar" ou "filtrar" alguns sites, com base em programas que desempenham essa função.Esses sistemas bloqueiam o acesso quando, ao "fazerem correr" uma lista de palavras ou imagens indesejadas, impedem o acesso ao site.Estas listas podem ser personalizadas, em alguns casos. Para além disso podem também restringir o acesso a "x" vezes por dia/espaço de tempo dado e permitir a supervisão (e registo) do acesso e acções.
Leve em consideração as seguintes cinco regras de segurança on-line:
Ensine às crianças que, sem o conhecimento prévio do adulto e sem a sua autorização:
1. Não se dá o nome, o número de telefone ou o endereço sem haver garantias de segurança.
2. Não se devem combinar encontros com alguém que se conheceu na Internet.
3. Não se enviam fotos ou outro tipo de documentação sem autorização.
4. Não se responde a mensagens mal educadas ou inadequadas.
5. Não se abrem mensagens de desconhecidos (por causa dos vírus e afins).

Crianças dos 6 aos 12 anos não deverão aceder a um computador sem a supervisão de um adulto e os pais deverão controlar os sites que essas mesmas crianças visitam, e essa atitude não deve ser interpretada por parte das crianças como uma forma de controle e uma invasão à sua privacidade por parte dos pais, apenas estamos a protegê-los e eles devem entender isso nessa perspectiva.

Professora de Tecnologias de Informação e Comunicação

Carla Monteiro

11 de março de 2008

PREPARAR A PÁSCOA


(desenho de alunos dos 5 anos)

Hoje mais do que nunca somos dominados pela ânsia de viver e tirar da vida o máximo de sumo. No entanto, na nossa existência pessoal passamos, muitas vezes, por situações de desespero, em que tudo parece perder o sentido. A morte de alguém querido, o desmoronar dos laços familiares, a traição de um amigo ou de alguém a quem amamos, a perda ou a enfermidade de um filho, a solidão, a falta de objectivos que nos lançam muitas vezes num vazio do qual não conseguimos facilmente sair.

Ver os telejornais ou ler os jornais é acompanhar a par e passo os dramas, sofrimentos, injustiças e violências, como se o mundo fosse um imenso campo de destruição e morte. No entanto, apesar do sofrimento que faz parte da condição de fragilidade em que vivemos, Deus está presente na história humana, criando vida e oferecendo a esperança aos homens.

Deus, através da sua Palavra, garante-nos que não estamos perdidos e abandonados à nossa impotência e finitude… Deus caminha ao nosso lado; em cada instante Ele lá está, dando vida à “morte” dando-nos a coragem de sair do sepulcro”.
Na história de Lázaro lida neste V domingo da Quaresma Jesus refere-se, também e sobretudo, aos mortos de coração e aos mortos espirituais.
Que fazer? Onde encontrar o remédio para tão grandes males? É preciso, como fizeram as irmãs de Lázaro, chamar, implorar a Jesus, porque só Ele pode curar e fazer ressuscitar os coração para a esperança.


Sugestões:

Leitura do Evangelho

5º Domingo da Quaresma Ano A
9 de Março de 2008


EVANGELHO – Jo 11,1-45

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João Naquele tempo, estava doente
certo homem, Lázaro de Botânica, aldeia de Marta e de Maria, sua irmã. Maria era aquela
que tinha ungido o Senhor com perfume e Lhe tinha enxugado os pés com os cabelos. Era
seu irmão Lázaro que estava doente. As irmãs mandaram então dizer a Jesus:
«Senhor, o teu amigo está doente». Ouvindo isto, Jesus disse:
«Essa doença não é mortal, mas é para a glória de Deus, para que por ela seja glorificado o Filho do homem». Jesus era amigo de Marta, de sua irmã e de Lázaro. Entretanto, depois de ouvir dizer que ele estava doente, ficou ainda dois dias no local onde Se encontrava. Depois disse aos discípulos: «Vamos de novo para a Judeia». Os discípulos disseram-lhe: «Mestre, ainda há pouco os judeus procuravam a apedrejar-te e voltas para lá?» Jesus respondeu: «Não são doze as horas do dia?


Se alguém andar de dia, não tropeça, porque vê a luz deste mundo.
Mas se andar de noite, tropeça, porque não tem luz consigo». Dito isto, acrescentou: «O nosso amigo Lázaro dorme, mas Eu vou despertá-lo». Disseram então os discípulos: «Senhor, se dorme, está salvo». Jesus referia-se à morte de Lázaro, mas eles entenderam que falava do sono natural. Disse-lhes então Jesus abertamente: «Lázaro morreu; por vossa causa, alegro-me de não ter estado lá, para que acrediteis. Mas, vamos ter com ele». Tomé, chamado Dízimo, disse aos companheiros: «Vamos nós também, para morrermos com Ele». Ao chegar, Jesus encontrou o amigo sepultado havia quatro dias. Betânia distava de Jerusalém cerca de três quilómetros. Muitos judeus tinham ido visitar Marta e Maria, para lhes apresentar condolências pela morte do irmão. Quando ouviu dizer que Jesus estava a chegar, Marta saiu ao seu encontro, enquanto Maria ficou sentada em casa.


Marta disse a Jesus: «Senhor, se tivesses estado aqui, meu irmão não teria morrido. Mas sei que, mesmo agora, tudo o que pedires a Deus, Deus To concederá». Disse-lhe Jesus: «Teu irmão ressuscitará». Marta respondeu: «Eu sei que há-de ressuscitar na ressurreição, no último dia».
Disse-lhe Jesus: «Eu sou a ressurreição e a vida. Quem acredita em Mim, ainda que tenha morrido, viverá; E todo aquele que vive e acredita em Mim, nunca morrerá. Acreditas nisto?» Disse-Lhe Marta: «Acredito, Senhor, que Tu és o Messias, o Filho de Deus,que havia de vir ao mundo». Dito isto, retirou-se e foi chamar Maria, a quem disse em segredo: «O Mestre está ali e manda-te chamar». Logo que ouviu isto, Maria levantou-se e foi ter com Jesus.
Jesus ainda não tinha chegado à aldeia, mas estava no lugar em que Marta viera ao seu encontro. Então os judeus que estavam com Maria em casa para lhe apresentar condolências, ao verem-na levantar-se e sair rapidamente, seguiram-na, pensando que se dirigia ao túmulo para chorar.


Quando chegou aonde estava Jesus, Maria, logo que O viu, caiu-lhe aos pés e disse-lhe: «Senhor, se tivesses estado aqui, meu irmão não teria morrido». Jesus, ao vê-la chorar, e vendo chorar também os judeus que vinham com ela, comoveu-se profundamente e perturbou-se. Depois perguntou: «Onde o pusestes?» Responderam-Lhe: «Vem ver, Senhor». E Jesus chorou. Diziam então os judeus:«Vede como era seu amigo». Mas alguns deles observaram: «Então Ele, que abriu os olhos ao cego,não podia também ter feito que este homem não morresse?» Entretanto, Jesus, intimamente comovido, chegou ao túmulo. Era uma gruta, com uma pedra posta à entrada. Disse Jesus: «Tirai a pedra». Respondeu Marta, irmã do morto: «Já cheira mal, Senhor, pois morreu há quatro dias». Disse Jesus: «Eu não te disse que, se acreditasses, verias a glória de Deus?» Tiraram então a pedra. Jesus, levantando os olhos ao Céu, disse: «Pai, dou-te graças por Me teres ouvido. Eu bem sei que sempre Me ouves, mas falei assim por causa da multidão que nos cerca, para acreditarem que Tu Me enviaste». Dito isto, bradou com voz forte: «Lázaro, sai para fora». O morto saiu, de mãos e pés enfaixados com ligaduras e o rosto envolvido num sudário. Disse-lhes Jesus: «Desligai-o e deixai-o ir». Então muitos judeus, que tinham ido visitar Maria, ao verem o que Jesus fizera, acreditaram n’Ele.

27 de fevereiro de 2008



PREPARAR A PÁSCOA




Para todos nós!
Seja a Quaresma, como caminhada para a Páscoa, um tempo mais atento ao nosso Deus, que muito nos dirá no “deserto” que fizermos, mesmo por entre as ocupações do dia a dia. Exactamente para que a vida não fique árida e desgastante, aproveitemos a Quaresma para escolher Deus como fonte de tranquilidade e realização e a oração como alento.
No próximo domingo Jesus é-nos apresentado, através do relato do cego de nascença, como Luz do mundo, porque de facto só Ele pode iluminar as trevas deste mundo e abrir os olhos da mais profunda e terrível cegueira, aquela que não nos deixa ver que só Ele é o caminho que conduz até Deus, fonte da qual jorra a verdadeira felicidade.
Sugestão:


Leitura bíblica

4º Domingo da Quaresma Ano A
2 de Março de 2008


EVANGELHO – Jo 9,1-41


Naquele tempo, Jesus encontrou no seu caminho um cego de nascença.
Os discípulos perguntaram-Lhe: «Mestre, quem é que pecou para ele nascer cego?
Ele ou os seus pais? Jesus respondeu-lhes: «Isso não tem nada que ver com os pecados
dele ou dos pais; mas aconteceu assim para se manifestarem nele as obras de Deus.
É preciso trabalhar, enquanto é dia, nas obras d’Aquele que Me enviou.
Vai chegar a noite, em que ninguém pode trabalhar.
Enquanto Eu estou no mundo, sou a luz do mundo». Dito isto, cuspiu em terra,
fez com a saliva um pouco de lodo e ungiu os olhos do cego.
Depois disse-lhe: «Vai lavar-te à piscina de Siloé»; Siloé quer dizer «Enviado».
Ele foi, lavou-se e ficou a ver. Entretanto, perguntavam os vizinhos
e os que antes o viam a mendigar: «Não é este o que costumava estar sentado
a pedir esmola?» Uns diziam: «É ele». Outros afirmavam: «Não é. É parecido com ele».

Mas ele próprio dizia: «Sou eu». Perguntaram-lhe então:« Como foi que se abriram os teus
olhos?» Ele respondeu: «Esse homem, que se chama Jesus, fez um pouco de lodo,
ungiu- me os olhos e disse-me: ‘Vai lavar-te à piscina de Siloé’.
Eu fui, lavei-me e comecei a ver». Perguntaram-lhe ainda: «Onde está Ele?»
O homem respondeu: «Não sei». Levaram aos fariseus o que tinha sido cego.
Era sábado esse dia em que Jesus fizeram lodo e lhe tinha aberto os olhos.
Por isso, os fariseus perguntaram ao homem como tinha recuperado a vista.
Ele declarou-lhes: «Jesus pôs-me lodo nos olhos; depois fui lavar-me e agora vejo».
Diziam alguns dos fariseus:«Esse homem não vem de Deus, porque não guarda o sábado».
Outros observavam :« Como pode um pecador fazer tais milagres?»
E havia desacordo entre eles. Perguntaram então novamente ao cego:
«Tu que dizes d’Aquele que te deu a vista?»
O homem respondeu: «É um profeta». Os judeus não quiseram acreditar que ele tinha
sido cego e começara a ver. Chamaram então os pais dele e perguntaram-lhes:
«É este o vosso filho? É verdade que nasceu cego? Como é que agora vê?»
Os pais responderam: «Sabemos que este é o nosso filho e que nasceu cego;
mas não sabemos como é que ele agora vê, nem sabemos quem lhe abriu os olhos.
Ele já tem idade para responder: perguntai-lho vós».
Foi por medo que eles deram esta resposta, porque os judeus tinham decidido expulsar da sinagoga quem reconhecesse que Jesus era o Messias.
Por isso é que disseram: «Ele já tem idade para responder; perguntai-lho vós».
Os judeus chamaram outra vez o que tinha sido curado
e disseram-lhe: «Dá glória a Deus. Nós sabemos que esse homem é pecador».
Ele respondeu: «Se é pecador, não sei. O que sei é que eu era cego e agora vejo».
Perguntaram-lhe então: «Que te fez Ele? Como te abriu os olhos?»
O homem replicou:«Já vos disse e não destes ouvidos. Porque desejais ouvi-lo novamente?


Também quereis fazer-vos seus discípulos?» Então insultaram-no e disseram-lhe:
«Tu é que és seu discípulo; nós somos discípulos de Moisés; mas este, nem sabe de onde é». O homem respondeu-lhes: «Isto é realmente estranho: não sabeis de onde Ele é, mas a verdade é que Ele me deu a vista. Ora, nós sabemos que Deus não escuta os pecadores,
mas escuta aqueles que O adoram e fazem a sua vontade.
Nunca se ouviu dizer que alguém tenha aberto os olhos
a um cego de nascença. Se Ele não viesse de Deus, nada podia fazer».
Replicaram-lhe então eles: «Tu nasceste inteiramente em pecado e pretendes ensinar-nos?»
E expulsaram-no. Jesus soube que o tinham expulsado e, encontrando-o, disse-lhe:
«Tu acreditas no Filho do homem?» Ele respondeu-lhe:
«Senhor, quem é Ele, para que eu acredite?» Disse-lhe Jesus;
«Já O viste: é Quem está a falar contigo». O homem prostrou-se diante de Jesus e exclamou:
«Eu creio, Senhor». Então Jesus disse-lhe:
«Eu vim para exercer um juízo: os que não vêem ficarão a ver;
os que vêem ficarão cegos». Alguns fariseus que estavam com Ele, ouvindo isto,
perguntaram- lhe: «Nós também somos cegos?»
Respondeu-lhes Jesus: «Se fôsseis cegos, não teríeis pecado.
Mas como agora dizeis: ‘Não vemos, o vosso pecado permanece».

14 de fevereiro de 2008

ASTERIX NOS JOGOS OLÍMPICOS

EXAMES NACIONAIS 2008

Está já afixado no colégio ( Sala das Colunas) o calendário dos EXAMES NACIONAIS DO ENSINO BÁSICO - 2008.

Os Exames de anos anteriores podem ser consultados pelos alunos na Biblioteca do Colégio.

28 de janeiro de 2008

CORTA MATO 2008


Foi no passado dia 16 de Janeiro que se realizou mais um corta mato inter escolas do concelho de Sintra. Desta vez, tal como no ano passado, a competição realizou-se na Academia da Força Aérea – Sintra. Foi uma manhã muito bem passada na presença de vários alunos de diferentes estabelecimentos de ensino. Apesar de algumas ameaças de chuva, o São Pedro foi generoso e deu uma ajudinha no que toca ao tempo.
Como já é hábito, o nosso colégio marcou presença com um grupo bastante grande de atletas. Foram inscritos para esta prova 24 alunos do 3º ao 9ºanos, dos quais quatro foram medalhados. Para que fiquem a conhecer melhor quem representou o Colégio de São José do Ramalhão aqui ficam os nomes e as respectivas turmas:

Luís Laranjeiro-3ºB (sétimo lugar); Pedro Silva-3ºC, Daniel Mendonça-4ºA; João Relvas-4ºB (décimo lugar); João Mário-5ºA; Diogo Braga-5ºB; Diogo Correia-6ºA; Diogo Carvalho-6ºB (décimo Lugar); Diogo Coelho-8º A; Patrick Kodde-8ºB; Pedro Miranda-9ºA; Filipe Costa-9ºB; Marta Moita-3º B; Ana Marques-3ºC; Carlota Gouveia-4ºA (nono Lugar); Inês Matos-4ºB; Carolina Ramos-5ºA; Sofia Trindade-5ºB; Francisca Cambra-6ºA; Sara Simões-6ºB; Madalena Duarte-8ºA; Beatriz Curtinhal-8ºB; Mafalda Moura-9ºA; Rebeca Fiadeiro-9º B

É de salientar o enorme entusiasmo, motivação e o espírito competitivo dos alunos o que é muito gratificante para todos os professores e Irmãs.

Mais uma vez…..PARABÉNS RAMALHÃO!!!

os professores de Educação Fisica do Colégio

18 de janeiro de 2008

VISITA DE ESTUDO

O 9 º ano começou o segundo período de uma forma diferente: no primeiro dia de aulas , fomos ao Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, para observarmos algumas obras relacionadas com as matérias estudadas nas aulas:a Custódia de Belém, atribuída a Gil Vicente, o relicário da Rainha D.Leonor,As Tentações de Santo Antão, de Bosch,Inferno, O Julgamento das Almas e ainda os Painéis de S. Vicente de Nuno Gonçalves)

Depois do almoço, nos Jardins de Belém, deslocámo-nos até ao monumento mais visitado do país - o Mosteiro dos Jerónimos para assistirmos ao Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente, que estudámos nas aulas de Língua Portuguesa e que os alunos do 9º B estão a encenar na aula de Área de Projecto.
Por fim,dirigimo-nos à Fábrica dos Pastéis de Belém para numa sala reservada só para nós, nos deliciarmos com o( muitos!) pastéis de nata mais famosos do país!
Os alunos foram unânimes em afirmar que tinha sido um dia muito bem passado e uma bela maneira d ecomeçar o ano!